quarta-feira, 24 de setembro de 2008

não há fome que não dê em fartura

para quem julgava - como eu - que para se construir o preço final dos combustíveis era necessário recorrer a um algoritmo matemático complicadíssimo ... fiquei a saber que afinal é tudo muito simples, basta gerir as expectativas e acompanhar as correcções ...

1 comentário:

maria_arvore disse...

Ora... porque é que a GALP não haveria de ter expectativas de lucro?...